Pedalar à noite sempre traz certa insegurança. Por isso, o farol para bicicleta é um grande aliado, ajudando a enxergar melhor o trajeto e reduzindo as chances de acidentes.

Contudo, na hora de analisar os diferentes modelos de faróis para bike, o que não faltam são dúvidas, não é? Para lhe ajudar, montamos este conteúdo com as principais dicas!

O que é e qual a importância do farol para bicicleta?

O farol de bicicleta é um farol dianteiro que serve para oferecer mais iluminação e segurança aos ciclistas. Ele é um acessório importantíssimo para quem tem o hábito de pedalar à noite, seja em treinos e passeios ou em competições e no deslocamento diário no trânsito.

Existem vários modelos com materiais distintos e inúmeros sistemas de fixação, além de diversas funcionalidades, como intensidade de luz, modo de uso, tipo de recarga de bateria e alcance de luminosidade.

Então, para garantir que seu farol para bicicleta realmente será útil, é importante escolher um modelo de acordo com os seus usos e necessidades.

Quais os principais tipos?

Basicamente, no mercado, você encontra alguns modelos de farol de bike, que são:

  • Farol com lâmpada de LED: oferece uma iluminação bastante eficiente e com bom custo-benefício.
  • Farol de LED com alto brilho: tecnologia um pouco mais antiga e que não oferece uma iluminação tão boa como os atuais. É comum em faróis com 3, 5 ou até 8 LEDs.
  • Farol com LED de alta potência: oferece maior iluminação, porém consome mais bateria.
  • Farol com dínamo: modelos da década de 1970, mas que ainda são encontrados em várias bicicletas com farol embutido. O farol é ativado conforme o ciclista pedala.

farol para bicicleta

Como escolher o farol para bicicleta?

Antes de escolher o farol para bicicleta, você deve entender melhor alguns conceitos que são usados pelos fabricantes para explicar o produto. São eles:

  • Lux: quantidade de luz de acordo com a área (m²). Essa informação ajuda a entender a “potência” do farol em iluminar uma quantidade de m².
  • Lúmen: valor luminoso referente à quantidade de luz emitida por uma lâmpada (em todas as direções).
  • Candela: unidade da intensidade luminosa, indica a quantidade de luz emitida em uma determinada direção do feixe.
  • Watts: potência elétrica, está relacionada a quantidade de energia que o farol irá consumir.

Para você ter ideia, veja, por exemplo, as seguintes comparações: uma vela acessa produz em torno de 14 lúmens, já o sol a pino no verão sem nuvens gera em torno de 100 mil lúmens. A faixa de visibilidade no escuro para o olho humano varia entre 500 e 1200 lúmens.

Mas, não basta apenas escolher o farol com mais lúmens, é preciso considerar outros pontos na hora de optar pelo seu farol de bicicleta.

Luminosidade e distância

Ao analisar a quantidade de lúmens do farol, você deve também considerar a distância que ele consegue iluminar, ou seja, o lux. Se essa distância for curta, o farol não será muito útil, porque você não enxergará obstáculos e não será visto por outros ciclistas ou veículos, além de reduzir o seu tempo de reação. Então, procure um farol que permita iluminar uma distância segura.

Recarga e duração da bateria

O farol que emite alta luminosidade, consequentemente, também será o que gastará mais energia, precisando de uma bateria maior ou oferecendo um tempo de uso curto. Uma bateria maior ainda tem o inconveniente de demorar mais tempo para ser carregada.

Então, antes de procurar por um farol, pense nas suas necessidades de uso, tendo uma ideia da média de horas que o equipamento precisará funcionar.

Pense na relação entre luminosidade e duração da bateria. Um farol com duração de carga maior, pode não ter uma luminosidade muito potente — sendo preciso considerar em qual terreno e qual a luminosidade do ambiente onde você irá pedalar, considerando a sua segurança.

Baterias com métodos de recarga mais práticos são fundamentais. Então, um farol com bateria recarregável costuma ser muito mais durável do que os modelos que funcionam à pilha. Além disso, esses modelos costumam contar com entradas USB que permitem fazer o carregamento com qualquer cabo de celular, sendo muito simples e prático.

Material

Embora o farol de LED seja o mais comum, existem modelos que usam luzes halógenas. Os de LED costumam ser mais vantajosos porque têm mais durabilidade da carga, iluminam melhor e são mais resistentes.

Existem modelos que contam com adicionais extras de segurança, como resistência à água e a condições mais severas, sendo perfeitos para ciclistas que fazem percursos em trilhas e em locais com temperaturas variáveis, sem correr o risco de danificar o farol.

Outros modelos contam com botão de acionamento no corpo, o que torna seu uso muito mais prático, evitando perder tempo procurando como acionar o farol.

Adicionais

O mais importante na hora de escolher o farol é pensar no uso que você fará do equipamento e no seu estilo de pilotagem. Existem faróis, por exemplo, que contam com um suporte para prendê-lo no guidão, se ajustando muito bem e reduzindo o risco de quedas do farol durante o pedal.

Outros modelos contam com um pisca-alerta traseiro, oferecendo uma proteção extra contra acidentes, sendo mais seguro que os sinalizadores com luz contínua que piscam lentamente.

E há versões de farol que contam, até mesmo, com suporte para celular. Além de modelos de farol e buzina integrados. A maioria são simples, com uma buzina elétrica unida à bateria do farol. É uma ótima escolha para quem pedala na cidade.

Faróis profissionais

Durante suas pesquisas sobre farol para bicicleta, é possível que você tenha se deparado com o termo “farol profissional”, não é? Esses são faróis com altíssima luminosidade, com lumens que ultrapassam a casa dos centenas de milhares, e uma grande autonomia da bateria, além de contarem com altíssima durabilidade.

Esses faróis, obviamente, têm um valor muito mais alto. E são indicados para quem fará um uso intenso do equipamento e precisa muito de um item com alta luminosidade e durabilidade, que justifique o investimento.

Funções

Os faróis podem variar em termos de funções de iluminação. As mais comuns são: luz forte, luz média, luz baixa, luz intermitente lenta e luz intermitente rápida. Isso dependerá muito do uso que você fará. Para quem irá pedalar à noite, na cidade, os modelos com 3 modos de luz (forte, fraca e intermitente) é o ideal, pois você poderá ajustar a luminosidade conforme o ambiente.

Instalação

Não se esqueça de conferir o quão fácil é instalar o farol. A não ser que você opte por um farol de dínamo, em algum momento, será necessário retirar o acessório da bike para recarregar, secar ou fazer a manutenção.

Por isso, procure por um modelo que seja simples de instalar e remover, com abraçadeiras ou outros suportes móveis para fixação — o que também é interessante caso você tenha apenas um farol para usar em várias bicicletas.

Kits

Por fim, se atente ao que vem incluso no modelo. Alguns fabricantes vendem apenas o farol, outros contam com kit completo, com cabos para recargas ou pilhas, peças reservas, refletores traseiros ou laterais, entre outros, que facilitam o uso e a instalação do produto.

E aí, com essas dicas, ficou mais fácil escolher o farol para bicicleta? Aproveite e se inscreva na nossa newsletter para receber conteúdos bacanas como este direto no seu e-mail!

seguro de bike