Seja depois de um dia estressante no trabalho ou em um final de semana muito convidativo, nada melhor que preparar uma pedalada com tudo em cima. 

Entretanto, muitas trilhas desafiam não só os ciclistas como também as peças da bike. Antes que você fique parado no meio do caminho, é bom abrir os olhos para alguns sinais que mostram a hora de fazer uma manutenção de bicicleta.

Bem perceptíveis, os ruídos nos freios, lentidão no engate das marchas ou estalos na corrente são um convite para você visitar seu mecânico de preferência. 

Quer saber mais? Confira nosso post e deixe sua bike zerada!

Pneus carecas 

Quanto mais carecas estiverem os pneus de sua bike, mais chance haverá da câmara de ar furar ao longo das trilhas ou passeios pelo asfalto. 

Isso porque qualquer pedrinha, pedaço de madeira ou caco de vidro poderá perfurar com mais facilidade a borracha. 

Para não ficar na mão, a dica é trocar os pneus assim que os cravos estiverem gastos ao ponto de ficarem lisos. 

Sempre ande com câmaras a mais e um pneu de reserva, principalmente quando o percurso for longo. Não se esqueça das ferramentas necessárias para a troca. 

Corrente gasta  

Quando a corrente chega ao limite, ela faz estalos e acontecem pedaladas em falso nas subidas. Isso acontece por conta da dificuldade de encaixe nos dentes da coroa e das catracas. O problema pode causar graves quedas e prejudica muito o rendimento, pois afeta todo o sistema de transmissão de marchas. 

Fora isso, caso a corrente estoure, o seu passeio pode ir por água abaixo. Fazer o reparo exige técnica e nem todo mundo consegue reduzi-la para chegar em casa. 

A orientação é fazer a manutenção da bicicleta logo nos primeiros sinais, que serão os desgastes da corrente. Em média, em bikes speed ela dura 1.500 quilômetros. Em mountain bike a duração é menor, de mil quilômetros.

A troca é o melhor caminho, assim como a regulagem de todo os sistemas de marchas e pedivela. O investimento vale a pena, pois os preços de correntes variam de R$ 35 a R$ 150, com uma boa durabilidade, que depende também dos cuidados com limpeza contra ferrugem.

Freios no limite 

Se a sua bike tem freios a disco mecânicos ou hidráulicos, o ruidinho característico é o alerta de que tem que ser feita a troca de fluido ou pastilhas. 

Geralmente, é hora de realizar a troca quando as pastilhas atingem 60% de sua espessura original.

No sistema hidráulico, é preciso trocar o fluído por meio da sangria pelo menos uma vez por ano, ou quando você perceber uma alteração na qualidade do freio.

Suspensão     

Sendo a principal peça para amenizar os impactos, a suspensão dianteira também requer muitos cuidados. A primeira revisão preventiva deve acontecer após 50 horas de uso da sua bike, com a troca dos retentores e anéis de vedação, além da troca do óleo nas que têm o líquido nas canelas.

Após um uso intenso, você notará a necessidade de uma manutenção da sua bicicleta quando o guidão sofrer maiores impactos, diminuindo a flexibilidade da suspensão.  

Manutenção de bicicleta

De uma maneira geral, a sua bike deixará bem claro quando determinadas peças não estiverem 100%. Sinais que não podem ser negligenciados. 

Fazendo sempre revisões preventivas, certamente os seus rolês terão somente boas lembranças e momentos pra lá de prazerosos! 

Já ficou na mão por causa de alguma peça? Deixe aqui o seu comentário e nos conte a sua experiência!