Além da lavagem geral da bike depois de uma trilha ou de um longo treino na estrada, o grupo de marchas das bikes precisa de um cuidado especial. E é nessa hora que entra um lubrificante para corrente. Saiba que há tipos de óleos para correntes específicos, dependendo do terreno e das condições climáticas de onde você vai pedalar!

Fora o seu uso, o desgaste das peças da bike é maior ou menor conforme os cuidados que você têm com elas. E a relação de marchas é uma das partes que mais sofre com a falta de manutenção. Mas, não é qualquer lubrificante que pode ser usado nela.

Saiba agora quais são os tipos de óleos de correntes que você pode usar, e garanta uma vida útil maior de sua máquina, além de pedais melhores!

Quais são os tipos de óleos para correntes?

Úmido

O óleo de corrente do tipo úmido, também chamado em inglês de wet lube, é um tipo feito para encarar qualquer terreno, com alta durabilidade.

Dentre os tipos de óleos para correntes este é o mais viscoso, o que o ajuda a aderir muito bem à corrente. Isso faz com que a proteção contra chuvas e terrenos com barro e lama, seja ótima, além de não fazer com que você não necessite reaplicar o produto depois de um pedal leve.

A desvantagem deste lubrificante é que, por ele ser muito úmido e grosso, acumula sujeira facilmente em terrenos secos. E isso prejudica o funcionamento dos câmbios e sistema, além de desgastar mais toda a relação!

Uso indicado:

  • Para trilhas com lama ou barro.
  • Para dias de chuva ou úmidos.
  • Para uso extremo, por exemplo, downhill, cicloviagens e bikepacking.

Seco

O óleo seco, ou somente dry lube em inglês, é mais voltado ao uso em terrenos secos, e exige novas aplicações quando os pedais são bem frequentes.

Desenvolvido com uma composição mais fina, este lubrificante garante que a corrente e todo o sistema de marchas fiquem bastante limpos. Ele tem essa ação em condições mais secas, como num pedal na estrada durante o verão, ou um estradão de terra batida. Em períodos de frio, sem chuvas, também são indicados!

Porém, por ser mais fino, sua durabilidade é menor se comparada ao óleo úmido, e ele exige reaplicações em pouco tempo. Na chuva, ele deve ser reaplicado até mesmo durante o pedal, já que a água retira parte do lubrificante da corrente.

Uso indicado:

  • Para cidade.
  • Para terrenos secos, como trilhas ou em estradas asfaltadas.
  • Para inverno, sem clima muito úmido.

Com cera

O óleo com cera, wax lube, ou cerâmico, como algumas marcas nomeiam esse tipo de lubrificante para corrente, é muito seco e protege bastante o sistema contra sujeiras.

Dos tipos de óleos para correntes, este é feito pensando principalmente na proteção do grupo de marchas, e não na durabilidade do óleo em si. Por ser muito fino, ele penetra com mais profundidade em cada elo da corrente e faz com que o sistema funcione “livre”.

Entretanto, novas aplicações devem ser feitas em poucos quilômetros rodados, principalmente quando o terreno envolver lama ou água. O recomendado é que antes de uma reaplicação, a corrente seja limpa com um pano seco. Assim a sujeira fina é eliminada e não se mistura ao óleo, causando danos à corrente.

Uso indicado:

  • Pedais na cidade.
  • Pedais em terrenos secos, principalmente com areia.

Estes três tipos de óleos para correntes são os mais comuns encontrados pelo mercado, de marcas como Finish Line, Muc-Off, e WD-40. Além destas, ainda há outras, como Smoove, Squirt, e Algoo; cada uma com suas próprias composições, e com vantagens parecidas com os óleos mais tradicionais.

Para garantir a vida útil e o melhor funcionamento das peças de sua bike, nunca use outros lubrificantes, sem ser algum dos tipos de óleos para correntes para bicicletas. Também não exagere na quantidade colocada na corrente, assim você economiza o óleo, e ainda evita sujeira na bike e nas pernas!

Compartilhe agora esse artigo em suas redes sociais e ajude seus amigos de pedal a entenderem tudo sobre os lubrificantes para corrente, e fazerem a melhor compra!