Ainda que muitos ciclistas duvidem que seja possível recuperar bike roubada, há gente se esforçando para que essa solução aconteça cada vez mais. O Anderson Augusto, mais conhecido como Ciclonauta Urbano, prova que dá para fazer isso com a ajuda da tecnologia, e muito cicloativismo na veia!

O ciclista de São Paulo já recuperou com êxito muitas bikes, e apoia constantemente a recuperação de bicicletas na cidade e Estado. Suas ações, em que ele fica “muito feliz e emocionado por ajudar outros ciclistas”, são possíveis graças às redes sociais, conhecer bem cada beco da cidade, e o uso do sistema de registro de bicicletas.

Conheça agora a história inusitada deste ativista dos pedais que defende com unhas, dentes, correntes, e tudo mais, bicicletas e ciclistas!

O ingresso no ciclismo

Como todo ciclista tem uma história sobre como entrou para o mundo do pedal, com Anderson não seria diferente. O publicitário, que reside na cidade de São Paulo, tinha um funcionário que ia de bicicleta, todos os dias, para a empresa de Anderson.

Surpreso de como o jovem fazia mais de 15 quilômetros diários em cima da bike, Augusto se viu estimulado para fazer o mesmo. Foi então que o ainda inexperiente ciclista decidiu por começar a ir de bicicleta para a empresa.

No começo, como qualquer iniciante, cada quilômetro era puxado. Mas ele vencia o trajeto no mesmo tempo em que fazia de transporte público — cerca de uma hora e meia!

Com a prática e conhecendo cada novo caminho e atalhos que só de bicicleta são possíveis de fazer, em poucos meses o que era difícil e suado se tornou leve e prazeroso. Anderson Augusto passou a ir da Parada Inglesa, região da zona norte, à Lapa, que fica na zona oeste da capital, em 35 minutos!

Foi nesse momento, em meados de 2008, que Anderson decidiu que a bike seria o seu meio de transporte oficial e que largaria o carro de vez. A escolha foi tão taxativa que o publicitário não renovou mais sua Carteira Nacional de Habilitação!

O cicloativismo para recuperar bike roubada

Mesmo antes de ter como missão diária a ajuda em recuperar bike roubada, Anderson já tinha um blog, em que contava sobre os apertos urbanos para pedalar na cidade.

Foi nesse período também que ele criou seu próprio apelido, Ciclonauta. O título que ele começou a usar nas redes e o tornou conhecido na comunidade do pedal foi fruto de uma brincadeira entre amigos.

“O apelido surgiu por brincadeira de amigos que trabalhavam comigo, que me chamavam Lance Armstrong, misturando com Anderson, brincando com as palavras, lembrando do Armstrong — astronauta —, o que me levou a criar o Ciclonauta.”, lembra o cicloativista.

E pouco tempo depois que Anderson passara a usar a alcunha, ele descobriu que ciclonauta é, em espanhol, sinônimo de viajante de bicicleta!

O pulo do gato para ele entrar de vez na questão da segurança para bikes foi em 2015, com a crescente onda de roubos e furtos de bicicletas no Brasil.

“Desde então, tenho me mobilizado a ajudar na divulgação de maneiras de proteger, utilizando travas seguras ao invés de simples correntes e cadeados, que facilmente são cortados por alicates “de unha”. Neste meio tempo, conheci o Bike Registrada”, conta Anderson.

Ele então passou a divulgar o serviço em seu grupo no Facebook, o Bicicletas Roubadas e Recuperadas (divulgação) / SP e Grande SP. O que ajudou a integrar a comunicação das pessoas do grupo, que passam informações sobre as bikes roubadas e furtadas, com o sistema de registro.

O uso do Bike Registrada para recuperar bike roubada

A verdadeira dona da bike

Um dos casos de recuperar bike roubada que teve final feliz, com a ajuda de Anderson, de seu grupo no Facebook, e do Bike Registrada, foi de uma bike furtada na av.Paulista.

A dona da bike, uma bike courrier, deixou sua bicicleta com uma tranca na movimentada avenida, e minutos depois de voltar ao local, a ‘magrela’ sumira.

Nesse momento, Anderson começou a receber fotos da bicicleta da garota no seu grupo, e informações sobre o furto. O cicloativista, que estava na rua pedalando, foi a um bicicletário e viu uma bike com cores muito parecidas com as da bicicleta que tinha acabado de ver na rede social.

Não deu outra, ele checou o post no grupo e era ela mesma. Na hora, ele avisou os seguranças do bicicletário para não entregarem a bike a qualquer pessoa antes de a dona chegar. Desconfiados, os seguranças acharam a história maluca, mas Anderson usou o aplicativo Bike Registrada e mostrou que a bike constava no sistema!

Nesse momento, Anderson conseguiu entrar em contato com a verdadeira dona da bike. Os dados de contato ficam salvos junto às informações da bike no sistema do Bike Registrada.

E em poucos minutos depois, a real dona apareceu no bicicletário, munida da nota fiscal da bicicleta e de um Boletim de Ocorrência. Os seguranças do espaço se espantaram com a veracidade do que tinha acabado de acontecer, uma vez que eles desconfiaram da história que Anderson contara.

“Ninguém acreditou. Seguranças estavam incrédulos, dizendo que isso nunca tinha acontecido. A dona estava emocionada, pois tinha perdido as esperanças. Foi um momento emocionante.”, conta o cicloativista experiente.

O verdadeiro dono da bike

Outra história de sucesso em recuperar bike roubada que contou com o protagonismo de Anderson, junto ao grupo no Facebook, e o Bike Registrada, foi no centro de São Paulo.

O dono da bicicleta tinha acabado de comprá-la e, num passeio da zona leste ao centro, deixou-a presa em frente a um prédio público. Minutos depois, ele se deparou com o local vazio.

A atitude imediata do dono foi postar a foto da bike e informações sobre e o ocorrido, no Facebook. A publicação correu pela rede e foi parar no grupo de Anderson, com isso, ele memorizou a aparência da bike.

Uma semana depois de ver a publicação, Anderson Augusto vê a tal bicicleta num local, trancada. O publicitário então consultou o sistema do Bike Registrada, e, como ele mesmo disse, “BINGO!”. Recuperar bike roubada já estava na palma de sua mão!

“Entrei em contato com o dono da bike pelo Facebook, mas ele não me retornou. Então contatei amigos dele, avisando que encontrei a bicicleta dele e pedindo para que o verdadeiro dono entrasse em contato comigo. Insisti mesmo e falei que ele tinha ganhado na Mega Sena por ter recuperado a bike.”, explicou o cicloativista sobre o contato com o dono da bicicleta.

Ainda que o verdadeiro dono da bike tivesse suspeitado que fora alvo de um trote na hora do contato, ele teve sua “joia sob duas rodas” de volta, e ficou muito feliz!

O apoio de todos os recursos para recuperar bike roubada

Nas duas histórias, a iniciativa de Anderson foi um dos principais fatores para recuperar bike roubada. E aliado a isso, ele usou as redes sociais e consultou o Bike Registrada, maior sistema nacional de registro de bicicletas.

Além desses casos em que a recuperação foi um sucesso, Anderson participou de outros. Ele também reforça o seu ativismo com a página Ciclonauta Urbano, e outras redes sociais, como o Instagram, Twitter, e Youtube.

Fora isso, ele também grava seus pedais pela cidade, o que já rendeu o registro de acidentes, comprovando o descaso do poder público com os ciclistas. O trabalho de Anderson é tão constante que já foi repercutido pela imprensa especializada em bikes.

O Ciclonauta Urbano agregou o Bike Registrada ao seu cicloativismo, aumentando a força e o alcance das suas ações em favor do pedal de todos.

“Apesar de ser um ciclista como os outros, virei ativista das questões de segurança ao ciclista e sistemas cicloviários. Se todos os ciclistas usarem o Bike Registrada, coibiremos os roubos e furtos, ou recuperaremos rapidamente as bicicletas. Este serviço de recuperar bike roubada ajudou muitos ciclistas e recuperarem a felicidade de pedalar em suas maiores amigas: suas bikes.”, conclui Anderson.

Anderson Augusto é a prova de que usar as mídias sociais, junto ao aplicativo e também do selo Bike Registrada, possibilita reverter muitos roubos e furtos. Faça o registro de sua bicicleta também, e aumente as chances de recuperar bike roubada!

Foto: Ciro Amado/Instagram