Tecnologia para bicicleta, Cannondale Lefty Ocho

Tudo bem que as pernas são os motores do pedal, mas uma ajuda tecnológica para pedalar com maior desempenho é sempre bem-vinda. Por isso, a cada dia, uma tecnologia para bicicleta é lançada, facilitando a vida de um biker, do iniciante ao veterano.

Se você é do tempo do quadro de aço cromo, sabe que as bikes evoluíram muito até chegarem aos quadros de fibra de carbono e de alumínio ultraleves. Além disso, câmbios cada vez mais precisos, suspensões com alta leitura de terreno e peças eletrônicas norteiam o que virá para as bikes no futuro.

Se você quer saber todas as novidades que estão fazendo as bikes desta e das próximas gerações, confira este post com 8 tecnologia de ponta para mountain bikes!

Descubra 8 tecnologia para bicicleta MTB, que vão ajudar os seus pedais

1. Eixo boost

Tecnologia para bicicleta, cubos e eixos boost

Eixos boost só servem em bikes e cubos com largura igual (Foto: Pinterest)

Quando as bikes aro 29 surgiram, muitos ciclistas perceberam que a bicicleta ainda pecava em alguns sentidos. Uma das reclamações foi a das bikes terem perdido a rigidez, por causa das rodas maiores.

Por isso, o eixo boost foi criado, uma tecnologia para bicicleta, que veio dar a dureza ao par de rodas que toda 29 precisava. O equipamento consiste em um eixo com 148mm de comprimento na roda traseira e 110mm na dianteira.

Esse sistema confere maior espaço para que os raios da roda tenham mais ângulo para segurar o aro. A peça ainda existe tanto no padrão de blocagem como em eixo passante, ainda mais grosso e que dá maior rigidez ao conjunto.

2. Pedivela de coroa única

Tecnologia para bicicleta, Pedivela Shimano Saint DH

Pedivela com coroa única para downhill, Shimano Saint (Foto: Pinterest)

O pedivela de coroa única faz parte de um conjunto que já está revolucionando o mundo das MTBs. Esse equipamento funciona para otimizar cada vez mais o tempo das trocas de marchas, além de tirar peso — entre 100g e 400g — das bikes. Já que elimina duas coroas dianteiras, além de trocador e câmbio dianteiros.

Vale reforçar que a coroa de pedivela single, é uma tecnologia para bike feita especialmente para esse uso. Os dentes são mais altos e a peça é mais grossa, diferente de coroas indexadas.

Mas o pedivela de coroa única não é uma tecnologia para bicicleta que deve ser usado por qualquer ciclista. Este sistema é mais indicado para quem faz um pedal que não exige tantas combinações de marchas, como pedais de longa distância não competitivos.

3. Câmbio de 12 velocidades

Tecnologia para bicicleta, câmbio traseiro SRAM GX Eagle

Roldanas e braço mais longo, além de nova engenharia, garantem a passagem para 12 cogs (Foto: Pinterest)

No começo da categoria MTB, mal as bikes tinham 16 velocidades, depois foram para 18, 21, 24, 27, 30 e, hoje, 12. Sim, agora a tendência em tecnologia para bicicleta, junto ao pedivela de coroa única, é usar 12 velocidades.

Isso só foi possível porque engenheiros de empresas como Shimano e SRAM aplicaram tudo o que podiam em tecnologia para bike. E assim, chegaram a combinação de marchas “perfeita”, que elimina muitas marchas.

Essa tecnologia para bicicleta prioriza as trocas traseiras e otimiza o tempo do ciclista fazer suas mudanças para encarar vários terrenos.

Câmbios deste perfil têm a mola mais rígida para evitar que a corrente caia. Esse é um padrão em 12 velocidades porque com apenas uma coroa no pedivela, não há câmbio dianteiro para guiar e segurar a corrente.

4. Trava no câmbio traseiro

Tecnologia para bicicleta, câmbio traseiro Deore XT Shadow

Trava fica visível e é de fácil acionamento (Foto: Pinterest)

A trava no câmbio traseiro apareceu há alguns anos como um diferencial para fazer pedais em trilhas cada vez mais agressivas, sem ter o problema de a corrente cair. Ou mesmo aquela barulheira da peça batendo no quadro e até quebra do câmbio.

A trava funciona para câmbios de linhas intermediárias e avançadas em peças, e foram desenvolvidos e feitos pala Shimano. Ativando a trava o equipamento fica mais rígido, ideal pra fazer um downhill com sua MTB e também para pedalar por terrenos com pedras e raízes.

5. Suspensão Lefty e invertida

Tecnologia para bicicleta, Cannondale Lefty

 Lefty é usada em hardtails e full suspension para all mountain também (Foto: Pinterest)

A suspensão da marca Cannondale, famosa Lefty, é um tipo de “suspa” que prioriza a alta rigidez, leitura de terreno e principalmente baixo peso. Este modelo funciona apenas com o lado esquerdo da canela, por isso o nome Lefty.

Ainda, esta suspensão é do tipo invertida, ou seja, a canela fica na parte de baixo e a bengala na parte de cima, ao contrário das suspensões comuns. Isso favorece ainda mais o amortecimento em terrenos acidentados, além de deixá-la muito mais rígida do que suspensões convencionais de duas hastes.

6. Caixa de direção cônica

Tecnologia para bicicleta, caixa de direção cônica

Espiga cônica com a caixa de direção tapered dá maior rigidez à MTB (Foto: Pinterest)

A caixa de direção cônica, também chamada de Tapered, já era usada como uma tecnologia para bicicleta de competição para MTB, freeride, downhill e all mountain. Porém, só foi adotada em diversas mountain bikes aro 29, depois que as empresas constataram que este tipo de bike exige bastante essa tecnologia.

A vantagem deste sistema é que ele deixa a frente da bicicleta muito mais rígida e controlável, principalmente quando se passa por obstáculos.

7. Geometria do quadro

Tecnologia para bicicleta, quadro de aço cromo MTB trail

Quadro de aço cromo voltou para as mountain bikes de trail, com nova geometria e tecnologias (Foto: Pinterest)

As geometrias de quadros de MTBs de hoje, priorizam cada vez mais a distância entre eixos menor, e o uso de eixos boost, tanto blocados quanto passantes.

Ademais, os tubos superiores são feitos pensados em cada tipo de pedal. O ângulo empregado deixa a pilotagem mais confortável no caso de bike intermediárias e de passeio, e mais agressivas nas MTBs competitivas.

8. Câmbio eletrônico

Tecnologia para bicicleta, Shimano XTR Di2

Jogo de câmbio eletrônico XTR de 12 velocidades tem mostrador digital (Foto: Pinterest)

A era digital também chegou com muita força na tecnologia para bicicleta. O câmbio eletrônico é uma mudança que começou no MTB competitivo e apresentou bons resultados para pilotos consagrados, e hoje já é vendido ao público final.

O sistema elimina cabos de aço e conta apenas com baterias e sensores eletrônicos. Quando uma marcha é trocada, o aparelho envia uma informação ao sensor no câmbio traseiro, que interpreta a ação e realiza a troca.

Ainda, câmbios eletrônicos têm um diferencial muito atrativo para quem busca alta precisão em competições ou mesmo em treinos. Esta tecnologia para bicicleta faz sua autocorreção, ou seja, se o sistema entender que está desalinhado, ele mesmo faz correções durante a pedalada, sem o seu comando.

De todas as novas tecnologias para bike, é importante usar aquelas que vão ao encontro dos seus objetivos de pedal. Portanto, busque sempre entender como a peça vai te ajudar e se é realmente necessária para seus treinos ou passeios.

Assim, além de garantir um rendimento maior, porque vai apostar em uma tecnologia para bicicleta adequada, o seu investimento não será nada desperdiçado.

Acompanhe as melhores novidades e informações sobre bike, sempre. Siga a gente no Facebook, Instagram, YouTube e Twitter!